Direito Econômico

Responsabilidade penal dos empresários deve aumentar

O movimento internacional vai aumentar o âmbito de responsabilidade penal subjetiva dos administradores de empresa por omissão no Brasil. Isso porque Alemanha e Espanha têm aplicado e estudado mais o tema da omissão em contextos empresariais.

“Diante da influência desses dois países no Brasil, acho natural que em breve o tema também apareça por aqui”. Quem afirma é o procurador da República em São Paulo Rodrigo de Grandis.

De Grandis participou da palestra “Responsabilidade Criminal dos Administradores e os Precedentes Jurisprudenciais da Operação Lava Jato”. O evento foi organizado pelo Demarest Advogados e pela Ordem dos Advogados do Brasil, na quinta-feira (05/11).

Segundo ele, o Supremo Tribunal Federal não aplicou corretamente a teoria do domínio do fato. O motivo seria que a maior parte da doutrina diz que a teoria é restrita para crimes comissivos e inaplicável ao ambiente empresarial. O correto, no caso, seria ter aplicado a responsabilidade criminal subjetiva.

“Muitas condutas, segundo os votos dos ministros na Ação Penal 470 [o processo do Mensalão], eram omissivas, ou seja, o sujeito deveria impedir a conduta dos seus subordinados e não o fez podendo fazê-lo”, afirmou.

Sobre a operação Lava Jato, De Grandis acredita que exista uma oportunidade de responsabilização penal daqueles que ocupam o topo de uma empresa pelos atos de seus subordinados eventualmente

Cooperação internacional

Na palestra, o procurador também falou sobre a Secretaria de Cooperação Internacional do MPF.  A partir dela, a troca de informações entre autoridades de diferentes países ficou muito mais rápida e menos burocratizadas.

A secretaria foi criada em 2005 para ajudar o Procurador-Geral da República em assuntos de cooperação judicial internacional com autoridades estrangeiras. O objetivo era facilitar o acesso dessas autoridades a informações sobre prazos e judiciais de cada país, e buscar soluções para questões jurídicas.

Antes, segundo o procurador, existia por parte das autoridades estrangeiras uma certa desconfiança sobre o Brasil. “Eles não sabiam como as coisas funcionavam por aqui. Mas hoje, a situação muito. A conversa é mais fluída e respeitosa. O MPF tem usado essas informações de uma maneira super adequada”, disse.

Colaboração premiada

Segundo o procurador, a operação Lava Jato mostrou que a colaboração premiada veio para ficar. “A Ordem dos Advogados precisa aceitar essa realidade e passar a orientar os advogados de como utilizar corretamente esse instrumento. O profissional que se recusar a usar a colaboração vai deixar de defender o seu cliente de forma completa”, afirmou.

Em termos de regulamentação, De Grandis diz que a OAB deveria propor certas normas para conduzir a colaboração. Por exemplo, o mesmo advogado não deveria poder defender mais de uma cliente na mesma operação, e consequentemente mais de um delator, por conta do risco de conflito de interesse.

Além disso, o procurador diz que o Ministério Público Federal deve discutir internamente um padrão a seguir na colaboração premiada. Segundo ele, é preciso ter uma certa uniformidade de interpretação da delação em todos os estados.

Fonte: http://jota.info/aplicacao-da-responsabilidade-penal-objetiva-dos-administradores-deve-aumentar-diz-de-grandis

 

 

Categoria: